Fashion Rio – Desfiles (Dia 1)

Graças ao Portal FFW, eu consegui assistir aos desfiles do primeiro dia da semana de moda carioca (Tomara que consiga assistir a todos) e, aqui estão as minhas impressões. Tudo resumidinho para não ficar cansativo. Espero que gostem!

Herchcovitch
Abrindo a semana de moda carioca, tivemos Alexandre Herchcovitch. Na coleção, a década de 1980 reina absoluta e, não poderia ser diferente, já que o designer foi buscar inspiração nos grafiteiros e outros artistas da Nova York da década em questão. Estampas militares, jeans, suaves transparências, cintura marcada, deixando a silhueta mais feminina, além de pernas à mostra.

Tecidos volumosos, com recortes irregulares, assim como macacões, calças skinny e algumas peças com detalhes em renda, no maior estilo lingerie. Atenção para o comprimento das calças: A barra curta continua em alta no inverno! Outro detalhe fica por conta das camisas, que surgiram abotoadas de cima abaixo.

Já em relação à moda masculina, bermudas, calças jeans e camisas listradas ditaram a moda.

Acquastudio
A segunda marca a desfilar trouxe uma coleção inteirinha inspirada nas décadas de 1940 e 1950. Muita feminilidade em saias e vestidos com comprimento logo abaixo do joelho, cintura alta e bem marcada, bordados florais, transparência na medida certa e brilho suave. Atenção para os pés, que trazem tornozeleiras de paetês em lugar das meias.

Na cartela de cores, o romantismo se mostra claramente nos tons de verde, framboesa e, principalmente no rosa-chiclete. Lady like em alta para o inverno 2012, também!

P.S: Muito suspeita para falar, já que o meu estilo é composto, em grande parte, por uma pegada mais anos 1950, eu me arrisco a dizer que amei TODAS as peças dessa coleção inverno 2012, da Acquastudio.

Patachou
A primeira expressão que surgiu em minha mente assim que vi a primeira peça surgir na passarela foi: “Luxo Oriental”. A marca exaltou a cultura lá do outro lado do mundo em quimonos com misturas de tecidos, cores e estampas, decotes em V, muito brilho metalizado e cintura marcada, é claro, exaltando também as formas femininas. Ainda fazem parte da coleção calças mais larguinhas, saias desestruturadas e vestidos que seguem a mesma linha, além dos conjuntinhos que mais se parecem com pijamas de luxo.

Algumas peças apresentam volume, mas de uma forma fluída. Atenção para o vestido glamouroso de apenas uma manga comprida! A Patachou não foi a única marca a desfilar uma peça com essa característica. A Santa Ephigênia, marca que desfilou no Fashion Business hoje, também apresentou um vestido com essa proposta.

Alessa
Mistura de estampas pode definir bem o que foi, para mim, o desfile da Alessa. Saias e vestidos fluídos, com pontas desconexas e uma clara inspiração na tapeçaria oriental, marcaram as peças que foram à passarela.

Materiais como o tricô, a seda, o linho e a lã foram usados na confecção de macacões larguinhos, saias e vestidos com o comprimento logo abaixo do joelho e os blazers. Na cartela de cores: Marrom, laranja, cinza, preto e marinho foram os destaques.

Cantão

Uma metamorfose ambulante. Foi assim que as peças da Cantão se apresentaram na passarela. Shapes arredondados, volumes colocados em locais estratégicos do corpo, mostrando proteger a região coberta, como que formando um casulo.
Na cartela de cores, muito branco, marrom, caramelo, vermelho, cinza, preto, verde e azul-klein.

Em relação aos tecidos, temos a lã, o couro e o tricô de seda rústica. Isso só para dar apenas alguns exemplos. Apareceram também peças xadrez em macacões e vestidos.

Advertisements